Welcome !

Criei esse blog, com uma vontade de mostra a todos a importancia da atividade física, e como ela pode ser prazerosa.
Mudar hábitos, todos sabemos, não é uma tarefa conquistada do dia para noite. Exige comprometimento, persistência, disciplina e jogo de cintura, principalmente, quando falamos de atividade física. Mais isso,só depende de você ! Faça com que as mudanças de hábito transformem a sua vida,principalmente na saúde e bem-estar pessoal !
Sobre o Blog,irei atualizar,se possível, todos os dias,com informações atualizadas. Segue meu blog !

Foi um enorme prazer dividir esse espaço com você!
Um grande beijo e conte comigo !

domingo, 21 de novembro de 2010

Por que a '' AMARELINHA” Pode ajudar no DESENVOLVIMENTO MOTOR e COGNITIVO De uma crinça com 4/5 anos?


A educação infantil é a etapa escolar que trabalha com crianças de 2 à 6 anos de idade. Nessa fase é importante que a criança seja estimulada a desenvolver suas habilidades intelectuais, mas ligadas ao desenvolvimento emocional e motor. Essa idade pré-escolar é considerada a fase áurea da vida, em termos de psicologia evolutiva, pois é nesse período que o organismo se torna estruturalmente capacitado para o exercício de atividades psicológicas mais complexas como, por exemplo, o uso da linguagem articulada.
Do ponto de vista da teoria psicanalítica, este período da vida abrange dois estágios da evolução psicossexual: o estágio anal, cujas implicações para o processo evolutivo do ser humano são bastante acentuadas, e o estágio fálico, que representa o período em que tipicamente ocorre o chamado complexo de Édipo, um dos esteios da teoria de Freud. Para Erikson (1959), duas qualidades essenciais do eu emergem nessa fase evolutiva: autonomia e iniciativa. A cultura desempenha relevante papel na aquisição dessas qualidades fundamentais. As conquistas realizadas nesse período são de grande importância e determinarão o grau de competência que o indivíduo ordinariamente terá. Segundo a teoria de Piaget, a fase pré-escolar corresponde ao período pré-operacional do desenvolvimento cognitivo. As operações mentais da criança nessa idade se limitam aos significados imediatos do mundo infantil. A primeira fase desse estágio é caracterizada pelo pensamento egocêntrico. Na Segunda fase a criança começa a ampliar o seu mundo cognitivo, o que constitui o chamado pensamento intuitivo.
Já o desenvolvimento motor é um processo contínuo e demorado e, pelo fato das mudanças mais acentuadas ocorrerem nos primeiros anos de vida, existe a tendência em se considerar o estudo do desenvolvimento motor como sendo apenas o estudo da criança. É necessário enfocar a criança, pois, enquanto são necessários cerca de vinte anos para que o organismo se torne maduro, autoridades em desenvolvimento da criança concordam que os primeiros anos de vida, do nascimento aos seis anos, são anos cruciais para o indivíduo (Tani et al.,1988). As experiências que a criança tem durante este período determinarão, por grande extensão, que tipo de adulto a pessoa se tornará (Hottinger apud Tani et al. , 1988). Mas não se pode deixar de lado o fato de que o desenvolvimento é um processo contínuo que ocorre ao longo de toda a vida do ser humano. Para o aspecto motor é importante que as crianças tenham acesso ao espaço aberto da escola, parques e seus brinquedos, pátios cobertos e amplos, onde possam correr, saltar, dançar, subir e descer.
A amarelinha é uma das atividades mais importantes que compõem os planejamentos dessa fase, pois desenvolve a consciência corporal, possibilita o desenvolvimento da coordenação fina e a capacidade de se equilibrar e saltar em um pé só. Além desses, é uma excelente oportunidade para se trabalhar com regras, que deverão ser combinadas antes, com o grupo de participantes.
O jogo consiste em jogar a moeda nos números (sempre respeitando o limite do quadrado) e ir pulando com um ou os dois pés (de acordo com a sequência numérica) até chegar no “céu”. Se a moeda cair no número errado ou ultrapassar o limite do quadrado, a criança passa a sua vez e quando voltar terá que iniciar o jogo novamente. Ao retornar ela deve parar na casa onde a moeda está para pegá-la sem se desequilibrar, de forma que ela fará “ida e volta” para cada número.
A criança vencedora será aquela que conseguir chegar ao “céu” as nove vezes sem que a moeda caia no número errado ou fora do limite do quadrado e sem que ocorra desequilíbrio. Espera-se que através do jogo da amarelinha, a criança melhore seu equilíbrio, seu raciocínio lógico, sua consciência corporal e seu convívio social, aprendendo a trabalhar com regras.
A aplicação deste jogo pode ser uma alternativa de tratamento usado pelo fisioterapeuta, uma vez que, possibilita a aquisição de habilidades fundamentais ao desenvolvimento infantil. E dificuldades como, por exemplo a falta de equilíbrio (dinâmico e/ou estático), falta de coordenação motora (ampla ou fina), paratonias, sincinesias hipo ou hipertonia, entre outros não inviabilizem as trocas com o meio.
Portanto, não se trata de uma fisioterapia tradicional cujos métodos e técnicas corrigem problemas ortopédicos com ajuda de aparelhos, como o ondas curtas ou o ultra-som. Busca-se a implicação do sujeito no seu sintoma. Relaciona-se portanto, com a psicomotricidade por ser uma ciência que apóia a atuação de fisioterapeutas e professores de educação física, ocupando-se do corpo real, simbólico e imaginário do sujeito, corpo este que possui elementos sensório-motores e psico-afetivos, através dos quais o sujeito interage com o meio e, conseqüentemente, se desenvolve.



Referências Bibliográficas:

EDUCADOR BRASIL ESCOLA. [Internet]. Disponível em www.educador.brasilescola.com/orientacoes. Acesso em 08 de Abril de 2010 às 13:47.
Postado no blog de Fisioterapia da Puc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário